Nossos Alunos - Caio Morau

Meu nome é Caio Morau, tenho 28 anos e sou um antigo aluno do Colégio Pequeno Príncipe – prefiro “antigo” a “ex”, já que os laços nunca se perdem – e queria compartilhar com vocês algumas pequenas notas da minha trajetória, desde que saí do Colégio há exatos quinze anos.

            Cursei Direito na USP de Ribeirão Preto, tendo ingressado na segunda turma da Faculdade e me formado com a turma seguinte, já que passei um ano da graduação na Universidade de Paris.

            Na França, fiz parte dos meus estudos na Faculdade de Direito e tive uma vivência bastante intensa na Catedral de Notre-Dame de Paris – escrevi a esse respeito um artigo recente no Estadão, intitulado “Notre-Dame: testemunha da condição humana”, em que conto um pouco da sua história e do que lá vivi.

            Defendi meu mestrado na USP de São Paulo no ano passado (Largo São Francisco) e estou fazendo o meu doutorado na mesma instituição, na área de Direito Civil, mais especificamente no Direito de Família.

            Acredito, contudo, que o que de mais proveitoso poderia dividir neste breve espaço seria sobre minha recente experiência no Congresso Nacional, que tem sido de muito trabalho e aprendizado.

            Desde o início do ano, tenho auxiliado juridicamente um Senador e dois Deputados Federais, todos de primeiro mandato. Trata-se do Senador, Alessandro Vieira, (Cidadania/SE) e dos Deputados, Felipe Rigoni (PSB/ES) e Tabata Amaral (PDT/SP).

            São todos jovens e com muitos desafios em áreas importantes, como a da Previdência, da Educação, do Judiciário, entre outras. Eles chegaram aqui em Brasília com uma proposta interessante: montaram um time de pessoas para servir os três gabinetes, com o objetivo de enxugar gastos.

            Sem dúvida, há muito que se consertar e é necessário fazer reformas profundas em todas essas áreas, mas é fato que chegou ao Congresso uma nova geração de parlamentares, bastante aguerrida e com vontade de superar as deficiências de um sistema com tantas mazelas.

            E nesse contexto de tantas misérias e brigas pelo poder – de que sou testemunha diária – reconheço a enorme importância da formação humana que recebi no Pequeno Príncipe. E não me refiro somente ao conteúdo das matérias, que formou a base para os meus estudos posteriores, mas, sobretudo, à convivência com mestres e amigos tão singulares.

            Ainda hoje, entre os meus grandes amigos, estão os que fiz na época do Colégio. Mantemos um contato intenso, mesmo com as dificuldades da distância, e fazemos questão de nos encontrar sempre que podemos, ainda que esses encontros se resumam a uma única vez por ano.

            Tenho segurança de que posso contar com cada um deles. Esse amor de amizade de que fala C.S. Lewis no seu livro “Os Quatro Amores” é verdadeiramente desinteressado e sobrevive mesmo às (grandes!) divergências que temos quanto a temas sensíveis, como a política.

            Sou devedor do Colégio Pequeno Príncipe. Não só por ter vivido ali os melhores anos da minha vida – como costumam ser os anos da infância, em que os problemas são diminutos e não há preocupações que mereçam esse nome –, mas por ter criado os alicerces que me permitiram caminhar, ainda que não soubesse o caminho, como pontificou o sevilhano Antonio Machado:

Caminante, sontushuellas
elcamino y nada más;
caminante, no haycamino,
se hacecamino al andar.

Al andar se hacecamino
y al volver la vista atrás
se vela senda que nunca
se ha de volver a pisar.

 

 

 

 

 

 

 

Caio Morau

Please reload

Posts Recentes
Please reload

Rua Marechal Deodoro, 1653

CEP 14025-386 - Ribeirão Preto - SP 

16 3623.0731

  • Facebook Pequeno Príncipe
  • Instagram Pequeno Príncipe